Customização

Customização Washburn

Voltamos com mais uma customização! Dessa vez, uma Washburn que foi ressuscitada e tunada para segurar a bronca de uma pegada mais nervosa e um timbre mais forte.

E assim chegou a guitarra: pelada de tudo.

Mas com as tarraxas já instaladas.

Tarraxas Grover…

…e todas as peças que seriam substituídas pelas já previamente retirada pelo proprietário. Veio o kit completo!

E iniciam-se os trabalhos com a retirada do braço para a troca e nivelamento dos trastes.

A retirada dos trastes foi feita com formão e martelo de acrílico, assim como em braços que não possuem frisos laterais.

O formão levanta as extremidades dos trastes. Deve ser feito com muito cuidado para não lascar a escala.

Aqui o traste já foi levantado e está no ponto de ser retirado da escala.

O alicate turquesa ajuda no processo de retirada. Sem puxar de vez e sim levantando aos poucos gradualmente, até o mesmo se dissociar da escala.

Detalhe do alicate soltando o traste.

E o detalhe do apocalipse gerado. Os escombros do universo sombrio que existe entre um traste que já cumpriu sua missão na Terra e a cavidades que o acomodava.

Esta imagem representa uma parte da resposta a perguntas que recebo de vez em quando: Dá para se reutilizar o traste no caso de um nivelamento de escala?

Tudo depende do estado de calamidade do que rola entre a escala e o traste e das condições físicas do mesmo…Por isso, é sempre importante estar com o instrumento em mãos para avaliar esse tipo de situação.

Uma lixada para nivelar e melhorar a aparência da escala.

Trastes novos. Vida nova! Cortados individualmente de acordo com o comprimento de cada casa.

Um alicate turquesa um pouco maior para aguentar a pressão.

Como a escala possui friso, é necessário prestar atenção no momento de cortar os trastes de forma que eles se assentem a cavidade, contando que o friso é o limite. E nessas horas entram técnicas e ferramentas específicas para uma troca de trastes nessas condições.

E após a colocação dos novos trastes, o início do nivelamento lateral: isolamento do friso com fita crepe.

Ferramenta improvisada para igualar as laterais dos trastes com as da escala.

Após o nivelamento lateral, a inclinação dos trastes para acabamento.

E, claro, o nivelamento dos trastes!

 Parte elétrica: blindagem e aterramento das cavidades.

Instalação dos captadores.

Braço: Seymour Duncan 59 Model
Meio: Seymour Duncan JB JR
Ponte: Seymour Duncan JB

Parte elétrica: chave 3 posições, potenciômetro de volume (500K A), potenciômetro de tom (500K B) e jack.

E este era o estado da ponte antes de ser instalada.

O legal é que os parafusos dos carrinhos não passavam pelos carrinhos para atarraxarem na ponte. Legal mesmo…precisavam estar lá para sentirem a emoção de ter que limar um por um!

Lima pequena, lima média…e foram gastas as paredes laterais dos carrinhos por onde o parafuso de regulagem de oitavas antigamente não passava.

E assim a ponte estilo Floyd foi reanimada e ganhou vida nova.

Momento de alívio: prender o braço no corpo para colocação das cordas e regulagem final.

Ponte amparada por uma borracha para conter a ação das molas no momento de colocação das cordas e regulagem das próprias molas.

Regulagem de oitavas, ajuste do tensor e travamento do sistema Floyd.

E assim, a Washburn ganha vida nova e está pronta para a briga!

Também foi necessário trocar os parafusos do lock nut pois os anteriores estavam todos espanados.

Regular ou customizar um instrumento não envolve apenas as atividades aparentes de instalar o hardware, fazer as ligações elétricas e regular.

Há muito mais coisas entre os instrumentos e seus diagnósticos do que podemos explicar! Mas no final tudo se resolve!

13 comentários sobre “Customização Washburn

  1. hahahaha…que trabalheira em Paula….Muito Bom o Post….\o/
    a guitarra fico show!
    td funcionando certinho….os trastes foram muito bem colocados…
    pena que ela ta com a ponte velha…rsrsrs …mais jaja isso muda…
    e esse foi soh o primeiro de muitos trabalhos….rsrsrsrs
    Valew!!

  2. Olá, pst muito bom, aprendo demais aqui.
    Gostaria de perguntar se o aterramento das cavidades dos captadores fica ligado no terra do pot de volume ou em outro lugar!
    grato

  3. Pauleira uma coisa q nunca achei sobre pontes floyd rose é como regular as oitavas dela, eu tenho uma aki ta toda desrregulada… vc pode dar uma ideia nisso? seu blog é bom demais quase todos os dias eu passo aki para ver se tem novidades.. vlew pelas dicas

  4. Ola Paula prabens pelo trampo!!! muito massa eu tenho uma wg 540 tambem e mandei  fazer o mesmo que e vc fez ficou muuuuiiito fera, pena que vc nao e do interior…..gde abc e sucesso…….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *